Dificil admitir erros… até óbvios…

http://espnbrasil.terra.com.br/saopaulo/post/116683_NO+FUTEBOL+E+COMPLICADO+ADMITIR+ERROS+MESMO+OS+MAIS+CLAROS 

Por que será que é tão difícil admitir erros no futebol brasileiro? O que deveria ser uma virtude passa a ser um quase sacrifício. Ninguém erra no futebol tupiniquim, é incrível.

Quarta à noite no Morumbi, o São Paulo vencia o Once Caldas por 1 a 0, num jogo difícil de decisivo. O time colombiano, bom time por sinal, estava melhor no segundo tempo e dominava aparentemente o jogo, embora não impusesse um sufoco maior a Rogério Ceni.

Ricardo Gomes entendeu no banco tricolor que necessitava de mais força na marcação de meio de campo e colocou Jean no lugar de Fernandinho. A intenção pode ter sido das melhores, mas não surtiu o efeito esperado.

Muito pelo contrario. A partir daí e durante quase 7 minutos, o São Paulo foi totalmente dominado, ameaçado, levou bola na trave, tomou um sufoco e só quando o treinador fez uma segunda substituição para corrigir a primeira, colocando Washington no lugar de Jorge Wagner é que a situação melhorou.

O que me incomoda, no entanto é que no vestiário, na enfadonha entrevista coletiva, onde você só tem direito a uma pergunta, Ricardo Gomes não teve a humildade, a sutileza de admitir que errou.

Deu voltas para cá, voltas para lá, tentou explicar o inexplicável, mas não fez o simples, o que torna o ser humano mais humano ainda: admitir o erro.
RICARDO GOMES TENTA JUSTIFICAR OS ERROS CONTRA O ONCE CALDAS.

RICARDO GOMES TENTA JUSTIFICAR OS ERROS CONTRA O ONCE CALDAS.
Crédito da imagem: ASSESSORIA DE IMPRENSA

Era simples. Bastava dizer:” Pensei numa estratégia para diminuir o domínio do Once Caldas, mas não funcionou. Ai tive a percepção de corrigir”. Pronto. Uma frase como está era suficiente para contentar a todos e mostrar a verdade.

Mas não, o torcedor que ouvia as rádios e tevês que estavam transmitindo a coletiva foi ludibriado por uma sucessão de explicações sem cabimento, que não convenceram a ninguém.

Pior ainda são os profissionais que na coletiva agem como mais assessores de imprensa do técnico que os próprios assessores. Aqueles que fazem média nas perguntas com o entrevistado, tentando parecer bonzinho e colocando em xeque as perguntas pertinentes feitas anteriormente.

Ou ainda os comentaristas do dia seguinte, que parecem não ter visto o jogo, omitindo informações na defesa corporativista profissional. Em geral, ex-jogadores e técnicos, convidados de programas de televisão.

Enfim, Ricardo Gomes foi burro duas vezes no Morumbi quarta. A primeira, perdoável, porque foi na tentativa de acertar que acabou errando e sendo homenageado por quase 50 mil tricolores. Mas a segunda , imperdoável, porque só dependia dele ser mais inteligente nas respostas e explicações.

Anúncios

Só a vitória interessa!

Para que esquçamos a eliminação do Paulista, somente uma boa vitória (ou ao menos uma vitória) contra o Once Caldas para espandar a crise que parecia estar se formando… Hoje é dia de o W9 marcar mais um ou dois gols… comemorar com o RG e mostrar para todos que no Tricolor a crise é muito passageira… que temos garra, força, determinação para vencer, para lutar depois de uma derrota, que temos força para nos superarmos…

DÁ-LHE TRICOLOR!!!!

Vitória contra a crise…

Para espantar a crise, São Paulo busca a ponta contra Once Caldas

por ESPN.com.br com agência GE

fonte: http://espnbrasil.terra.com.br/libertadores/noticia/116361_PARA+ESPANTAR+A+CRISE+SAO+PAULO+BUSCA+A+PONTA+CONTRA+ONCE+CALDAS
A eliminação no Campeonato Paulista e as reclamações de Washington contra Ricardo Gomes esquentaram os bastidores do São Paulo. Por isso, uma derrota na Copa Libertadores da América pode instaurar a crise no clube. Sob pressão, o clube tricolor luta pela liderança do torneio continental na noite desta quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), contra o Once Caldas, no Morumbi.

Com dez pontos no grupo 2, no segundo lugar, o São Paulo precisa de um triunfo nesta quarta para assumir a liderança da chave, que pertence justamente à equipe colombiana, que tem 11. Desta forma, esquecer a desclassificação no Paulistão é a meta dos jogadores da equipe do Morumbi.

“Temos que lembrar agora que a prioridade é a Libertadores. Vamos pensar só no Once Caldas, porque este é um título que quero muito. Ganhei dois Brasileiros em minha primeira passagem e quero a Libertadores para ficar na história do São Paulo”, afirmou o zagueiro Alex Silva.

Na noite desta quarta, Ricardo Gomes terá de resolver o que fará com Washington, que criou um mal-estar no elenco ao reclamar publicamente da reserva. O Coração Valente foi multado em 20% de seu salário e gerou insatisfação do plantel.

“Ninguém vai ser escalado pelas declarações, e sim pela opção tática do treinador”, comentou Richarlyson, que acrescentou. “Se não colocar o Washington, vão dizer que o Ricardo ficou com birra. Se colocar, vão dizer que o Washington ganhou porque chorou. Vai depender do treinador”.

Gomes não confirmou com antecedência, mas deu sinais de que seguirá com o atacante no banco de reservas, com Fernandinho entre os titulares. Já no meio-campo, Marlos cumpriu suspensão automática no Paulistão e retoma seu posto, que foi ocupado por Cléber Santana.

Já o Once Caldas, que foi o algoz do São Paulo em 2004, quando eliminou os brasileiros na semifinal e avançou até ser campeão, espera voltar a complicar para o clube. Desta vez, o time colombiano quer ao menos um empate para encerrar a fase no primeiro lugar do grupo.

“Nós vamos com o objetivo claro de fazer uma grande partida, que nos possibilite terminar como líderes do grupo. Com isso, nas oitavas de final, jogaríamos primeiro como visitantes e decidiríamos em casa”, afirmou o atacante Dayro Moreno.

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO X ONCE CALDAS-COL

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 21 de abril de 2010, quarta-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Diego Hernán Abal (da Argentina)
Assistentes: Ariel Fernando Bustos e Diego Pablo Romero (ambos da Argentina)

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Cicinho, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Rodrigo Souto, Hernanes, Jorge Wagner e Marlos; Dagoberto e Fernandinho
Técnico: Ricardo Gomes

ONCE CALDAS: Luis Martínez; Iván Vélez, Diego Amaya, Oswaldo Vizcarrondo e Alexis Henríquez; Luis Núñez, John Valencia, Danny Santoya e Diego Arias; Dayro Moreno e Fernando Uribe
Técnico: Juan Carlos Osório