Vovó Metaleira

De acordo com notícia publicada no site Blabbermouth, o show do Metallica no dia 26 de janeiro em Santiago, Chile, teve uma visita mais que especial. Graciela Mora, uma avó de 76 anos que foi afetuosamente reconhecida como “Vovó Metallica”.

Juntamente com seu neto de 16 anos, a quem ela convidou para o show, fez seu caminho para a frente do palco para ficar mais perto de seus ídolos, delicadamente atravessando o público com sua bengala e parando uma vez ou outra para fotos.

“Vovó, posso tirar uma foto com a senhora”, gritavam os fãs. A “Vovó Metallica” posou de uma maneira bastante incomum para as pessoas de sua idade: ela usava uma bandana preta do Metallica e soltou os chifrinhos, símbolo universal dos metaleiros.

“Eu amo o Metallica, sou um fã desde que eu era jovem e trouxe meu neto pois da última vez [que iriamos ver o Metallica em 2003] ficamos desapontados. Tínhamos os assentos, mas a banda acabou cancelando o show. Então desta vez é agora ou nunca”, explicou a senhora.

fonte: http://whiplash.net/materias/news_866/102177-metallica.html

Show Matador!

Um METALLICA em grande fase, altamente energizado e visivelmente feliz no retorno ao Brasil, fez milhares de cabeças chacoalharem de forma furiosa no Estádio do Morumbi, em São Paulo, na noite de sábado (30 de janeiro). Com direito a abertura do SEPULTURA e um setlist diferenciado – marca desta nova fase da turnê “World Magnetic” -, James Hetfield e Cia. fizeram cada centavo gasto nos caros ingressos valer a pena. Um show no sentido mais amplo da palavra.

Contrariando todas as previsões, a chuva deu uma rara trégua para São Paulo no sábado, o que ajudou a tornar o acesso ao Morumbi bem menos problemático – e até bem tranquilo, considerando-se a magnitude do evento. Embora os organizadores do show tenham divulgado a venda de todos os 60 mil ingressos para a primeira noite, o estádio do São Paulo Futebol Clube não estava tão tomado como poderia (e deveria) estar. Parece que muitos cambistas morreram com ingressos na mão…

Se tudo conspirava para uma noite perfeita, o SEPULTURA fez o que dele se esperava e mostrou que a sua escolha para opening act do Metallica era tão óbvia quanto merecida. Às 20h, a banda brasileira de maior sucesso no exterior subiu ao palco para dividir com o público a festa pelos seus 25 anos de carreira, mostrando desde as novidades do último álbum, “A-Lex”, até os grandes clássicos da era Max Cavalera. Ao som de “Roots Bloody Roots”, o SEPULTURA fechou o set com muita propriedade e entregou o bastão para os reais donos do espetáculo.

Por volta das 21h45, luzes apagadas ao som de “The Ecstasy of Gold”, com o telão de altíssima definição mostrando cenas do filme “The Good, the Bad and the Ugly”, um clássico do western spaghetti (e que tem “The Ecstasy…” em sua trilha sonora). Numa atmosfera de arrepiar, James, Kirk, Lars e Robert tomaram o palco de assalto, disparando “Creeping Death” sem qualquer piedade.

Se é que ainda restava algum fã impassível diante do retorno do Metallica ao solo paulistano, toda e qualquer resistência cedeu com uma dobradinha de clássicos dos dois primeiros discos: “For Whom The Bell Tolls” (maravilhosa) e “The Four Horsemen” (brutal). Falante e bem-humorado, James Hetfield interagia bastante com a platéia, sempre querendo saber se o público estava animado e perguntado se todos ali estavam prontos para mais petardos. É claro que sim…

“Harvester Of Sorrow” e “Fade To Black” fecharam a sessão flashback antes de uma sequência inteiramente dedicada ao álbum mais recente, “Death Magnetic”. Embora não tenha agitado tanto quanto os clássicos, “That Was Just Your Life”, “The End Of The Line” e a excelente “The Day That Never Comes” fizeram justiça ao peso e à qualidade de “Death Magnetic”, confirmando que a banda se reencontrou após um longo período de turbulência, abusos diversos e ataques de vaidades.

A esta altura do show, o setlist já se mostrava diferente dos outros realizados na América Latina recentemente. E para reanimar o público após uma trinca de músicas menos conhecidas, James mandou “Sad But True” e recolocou o Morumbi em estado de agitação total. “Broken, Beat and Scarred”, a quarta e última de “Death Magnetic” na primeira noite paulistana, chegou em seguida e caiu muito bem.

O espetáculo entrou em sua parte derradeira com mais um retorno aos trabalhos antigos do Metallica. Ao som de helicópteros e disparos de metralhadoras, o palco literalmente pegou fogo para anunciar os primeiros acordes de “One”. Simplesmente arrebatador. E se você levar em conta que “Master of Puppets” entrou logo depois, sem dar tempo para sequer retomar o fôlego, o impacto foi ainda maior.

Antes do bis, dois sucessos de “Metallica” (o popular “Black Album”) se encarregaram de deixar o Morumbi em ponto de bala: “Nothing Else Matters” (cantada em uníssono) e “Enter Sandman”, que não deixou pedra sobre pedra na arena são-paulina. Seria este o fim da linha? Não mesmo…

Na volta para o bis, o frontman explicou: “Este é o momento do show em que escolhemos uma banda que nós gostamos para prestar tributo. E a escolhida desta noite é o QUEEN”, anunciou James Hetfield, abrindo o retorno com a implacável “Stone Cold Crazy”. O frenesi thrasher se completou quando o Metallica disparou outra surpresa: “Motorbreath”. Um simples bis não poderia ser mais rápido e agressivo.

Para provocar a galera, os quarto se despiram de seus instrumentos e ensaiaram uma despedida definitiva. É claro que o estádio não deixou e começou a gritar por “Seek and Destroy”. E James não fez por menos: “Vocês querem mais uma? Ok, São Paulo, nós vamos tocar mais uma porque vocês fizeram por merecer…”. O frontman mandou acender os refletores para que todos, banda e público, pudessem se entreolhar e interagir com ainda mais energia. Dito e feito: “Seek and Destroy” foi mesmo destruidora e fechou a primeira noite do Metallica em São Paulo com pompa e circunstância.

Do set list cheio de surpresas à energia visível da banda, o primeiro show do Metallica em São Paulo foi um grande presente aos fãs. Como é legal poder testemunhar a banda em grande fase, tocando muito bem, feliz e com vitalidade. Conforme já era possível perceber nos CDs e DVDs do lançamento “Orgulho, Paixão e Glória – Três Noites na Cidade do México”, os ares latinos estão fazendo muito bem para os thrashers da Bay Area.

Longa vida a James, Lars, Kirk e Robert, porque eles ainda têm muita coisa boa para mostrar.

METALLICA – Estádio do Morumbi (São Paulo) – 30/01/2010

Creeping Death
For Whom The Bell Tolls
The Four Horsemen
Harvester Of Sorrow
Fade To Black
That Was Just Your Life
The End Of The Line
The Day That Never Comes
Sad But True
Broken, Beat and Scarred
One
Master Of Puppets
Blackened
Nothing Else Matters
Enter Sandman
– – – – – – – –
Stone Cold Crazy
Motorbreath
Seek and Destroy

Metallica é Ouro e Platina em SP

Os membros do Metallica – James Hetfield (voz e guitarra), Lars Ulrich (bateria), Kirk Hammett (guitarra) e Robert Trujillo (baixo) – foram surpreendidos ontem, dia 30 de janeiro, durante a coletiva de imprensa concedida para jornalistas e fotógrafos no Estádio do Morumbi. O grupo foi presenteado com um disco de ouro pelas 40 mil cópias vendidas no Brasil do CD “Death Magnetic” (2008) e, ainda, recebeu da produtora brasileira disco de platina duplo pelas 60 mil cópias vendidas no país do DVD “Orgulho, Paixão e Glória – Três Noites na Cidade do México”.

O Metallica se apresenta também no domingo (31), no Estádio do Morumbi. Ainda há entradas de todos os setores para o segundo show a R$ 150 (arquibancada laranja), R$ 170 (arquibancadas azul e vermelha), R$ 190 (arquibancada vermelha especial), R$ 250 (pista e cadeira inferior), R$ 300 (cadeira superior) e R$ 500 (pista vip). Estão à venda na bilheteria do Morumbi, do meio-dia até o início do show.

Confira o set list apresentado no 1º dia de show em São Paulo:

“Creeping Death”
“For Whom the Bell Tolls”
“The Four Horsemen”
“Harvester of Sorrow”
“Fade to Black”
“That Was Just Your Life”
“The Day That Never Comes”
“Sad But True”
“Broken, Beat & Scarred”
“One”
“Master of Puppets”
“Blackened”
“Nothing Else Matters”
“Enter Sandman”

Bis
“Stone Cold Crazy” (cover do Queen)
“Motorbreath”
“Seek and Destroy”

Fonte: Whiplash.net

Especial Metallica

Esta parte do Blog terá o intuito de sempre trazer um especial de uma banda importante quando esta desembarcar em terras tupiniquins…

Como o Metallica nesse fim de semana (30/01 e 31/01) fará show no Morumbi, trago um especial com Biografia e Discografia da banda…

Com vocês…

Morumba se acertando para outras Estrelas

fonte:http://whiplash.net/materias/news_867/101758-metallica.html
Imagem

Local de vitórias e títulos do São Paulo, o Morumbi também é habitualmente palco para outros “artistas”. E o primeiro evento não-futebolístico do ano no estádio acontece no próximo fim de semana, com direito a guitarras estridentes e fãs tão barulhentos quanto os são-paulinos. A capital paulista é a principal cidade a receber o Metallica, lenda norte-americana do Thrash Metal.A montagem para as duas datas na cidade começou neste fim de semana. O Metallica está trazendo toda a estrutura que apresentou em seu último DVD (Orgulho, Paixão e Glória): palco enorme, telão gigante e efeitos pirotécnicos variados. Por isso, a proteção dos gramados é preocupação fundamental para não prejudicar a volta do São Paulo à sua casa. Cerca de 60 mil pessoas são esperadas para cada noite “metálica”.